top of page

Pimenta Preta & Pimenta Vermelha

Atualizado: 18 de abr. de 2022

No tempo em que Portugal era o principal importador de especiarias da Índia, a pimenta preta (Piper nigrum) era uma das especiarias mais cobiçadas da época e valia o seu peso em ouro. Servia mesmo como moeda de troca e por isso era chamada de ouro negro. Porém, além desta especiaria, a Pimenta Longa (Pipper longum) destacava-se nesta

época pelas suas propriedades medicinais e, ainda hoje faz parte da medicina Ayurvédica.

Quando Cristóvão Colombo chegou à América, pensando que estava em terras indianas, encontrou uma planta com frutos que se pareciam, tanto no sabor como na forma, com os da Pimenta longa. Mas, afinal tratava-se de mais um erro deste descobridor, pois esta planta nem sequer faz parte da família das pimenteiras. Trata-se de uma planta da mesma família das batatas (solanaceae) do género Capsicum que hoje chamamos de Pimenta-da-terra ou Pimenta vermelha.


O piri-piri, tabasco, jindungo, e muitas outras variedades de pimenta-vermelha, apesar de não serem pimentas verdadeiras, por associação continuamos a chamá-las de pimentas. O mesmo acontece com as ervas aromáticas que chamamos de ervas-de-chá por associação com a bebida preparada com as folhas da Camellia sinensis, o chá preto.

O que estas duas pimentas têm em comum, apesar de pertencerem a famílias diferentes é que ambas, quando usadas na confecção dos alimentos ou por razões medicinais, ativam os mesmos receptores do corpo que nos dão a percepção de dor. Por isso sentimos a sensação de ardor quando a capsaicina (o composto principal da pimenta da terra) e a piperina (composto principal da pimenta preta) entram em contacto com as papilas gustativas ou quando aplicamos estes compostos na pele. À primeira vista parece que a pimenta preta tem uma acção mais fraca nestes receptores porque não nos sentimos tão incomodados, como acontece com a pimenta-da-terra. Na realidade a piperina, da pimenta preta, ativa os receptores da dor por um tempo mais curto enquanto a capsaicina, na pimenta-da-terra, tem uma acção mais duradoura, dependendo da variedade que usamos. Por isso algumas pimentas-da-terra são mais picantes do que outras.

Do ponto nutritivo estas duas plantas têm também uma acção de certa forma diferente mas ambas ajudam a digestão dos alimentos. Enquanto a pimenta preta melhora a absorção dos nutrientes da comida, prevenindo carências nutritivas, a pimenta-da-terra estimula o metabolismo facilitando a digestão dos alimentos e prevenindo a sensação de indisposição após a refeição.

Os condimentos que usamos na culinária, tais como a pimenta, preta ou vermelha, não servem apenas para tornar os alimentos mais apetitosos mas são também indispensáveis para uma digestão mais saudável.

101 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page